terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

O mau uso da tecnologia e a sua influência nas gerações futuras!

O texto que estou postando reflete um pouco a minha preocupação enquanto mãe, educadora e cidadã, uma vez que gosto demais da tecnologia e tudo o que podemos fazer com ela, mas se usada para coisas boas, é claro. O autor, João Pedro Pereira fala sobre as nossas relações, as nossas vidas que realmente estão pautadas pela internet e tudo o que podemos fazer por meio dela, quem vive mais sem internet? Sem celular? E os brinquedos atualmente? É raro encontrarmos alguém que não tenha se contaminado com os orkuts da vida, facebook, twitter, etc.
É muito bom ler livros, textos, vídeos, fazer amizade, rever os amigos e familiares que moram longe, comprar, jogar, pesquisar, mas tudo na sua medida. Tomando cuidado e lembrando sempre que a internet é terra sem dono, tudo se vê, se ouve e se prolifera!!!!!!
"O mau uso da tecnologia está a criar uma geração de crianças incapazes de pensar por si mesmas e de empatizar e estabelecer relações com os outros.
O mundo dos computadores parece oferecer uma opção mais segura do que o mundo real, pois não há brigas, não há a possibilidade do menino cair e se magoar. No entanto, o mundo Online pode trazer consequências muito mais nefastas que um arranhão, uma briga ou uma perna partida, como degenerações cerebrais ou até uma perda parcial de identidade.
Prevê-se que a nossa geração, e as gerações futuras, terão grandes perdas a nível da identidade, naquilo que cada um é, devido ao tempo gasto no mundo virtual, um mundo a 2 dimensões.
Entre os principais problemas podem ser destacados:
• o relacionamento inter-pessoal passar a dar-se maioritariamente através do computador / telemóvel;
• a redução da capacidade linguística e argumentativa; ora como a comunicação passa a dar-se através de um telemóve,l através de mensagens por exemplo, será uma escrita directa, objectiva sem grandes discussões, com vocabulário reduzido, com muitas abreviaturas; nestes casos o que interessa é transmitir a mensagem e não enriquecê-la com expressões ou com argumentos de forma a defender uma ideia;
• a redução a nível imaginativo e criativo; ao jogar um jogo, estamos a jogar algo que foi criado por outros, não necessitamos de ter a capacidade imaginativa de criar o nosso próprio jogo ou de criar os nossos brinquedos como sucedia há umas décadas atrás; agora a criança quer um carro vai-se ao super-mercado e compra-se, ao passo que antigamente ele era feito com os materiais que havia à disposição; agora quer-se brincar, compra-se um jogo novo para o computador, antes pensava-se e criavam-se divertimentos e jogos;"
Escrito por João Pedro Pereira
Monday, 26 May 2008
http://www.pensamentocritico.com/index.php?option=com_content&task=view&id=76&Itemid=27

5 comentários: